Juiz quer abrir debate sobre aborto a outras religiões

Tempo real – 03/07/2008  14h55
 
O juiz Roberto Loréa, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, pediu, no encerramento da audiência sobre a descriminalização do aborto, que os debates contemplem representantes de outros credos religiosos, e não apenas católicos e evangélicos. “Para um debate democrático, seria bom ouvir outras pessoas de outras crenças, uma mãe de santo, um xamã, adventistas, judeus, e, por que não, ateus.”

A presidente do Psol, a ex-senadora Heloísa Helena, lembrou que dentro das várias crenças existem pessoas pró e contra o aborto. “Uma das opiniões mais bonitas contra o aborto eu ouvi de um umbadista”, disse.

Números
O procurador do Estado do Rio de Janeiro Paulo Leão lembrou que na Espanha, onde o aborto foi legalizado, ocorreram 100 mil abortos só no ano passado, e que esse número é crescente. “No Brasil, onde o aborto é crime, pelo contrário, os números diminuem. No passado, já foi de 350 mil por ano, e hoje é de 150 mil”, disse.

Para a pesquisadora Débora Diniz Rodrigues, do Instituto de Bioética, um número seguro, com o qual se pode trabalhar, é que são realizados cerca de 3,7 milhões de aborto no Brasil. “Vamos defender prisão para 3,7 milhões de mulheres?”, questionou.

Já Maria José Rosado-Nunes, da ONG Católicas pelo Direito à Vida, respondeu as acusações de que a entidade estaria recebendo recursos de entidades internacionais. “Recebemos sim e nossas contas são abertas. Mas é preciso dizer que existem grupos anti-aborto que também são financiados por organismo estrangeiros”, disse.

A ex-senadora Heloísa Helena afirmou que existe um mercado de clínicas de aborto que estão “palpitando” pela legalização. “Empresas privadas aguardam a legalização para ganhar mais dinheiro com o aborto”, disse.

A audiência, que já foi encerrada, debateu o Projeto de Lei 1135/91, que modifica o Código Penal para suprimir a criminalização do aborto. A proposta é relatada pelo presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Na próxima semana, a CCJ deve votar o parecer de Cunha.

Leia mais:
Deputado alerta sobre mercado clandestino de aborto
Deputados opinam a favor e contra o aborto
Decisão sobre aborto deve ser da mulher, diz professora
Ex-senadora Heloísa Helena se manifesta contra o aborto
Juiz do RS diz que parecer contra aborto é imprestável
Proibição do aborto não precisa gerar punição, diz ONG
Criminalização não reduziu abortos, diz ministério
Começa audiência sobre a descriminalização do aborto
CCJ faz nova audiência sobre descriminalização do aborto

Reportagem – Roberto Seabra
Edição – Natalia Doederlein

(Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência Câmara’)

E-mail:agencia@camara.gov.br

Autor: PastoralFamiliar

Compartilhar esta matéria no

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.